Retribuindo o mal com o mal?

 

“A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor.
Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.”
(Rm 12.17-21)

 

A NOSSA SOCIEDADE ESTÁ CONDICIONADA À FILOSOFIA DO “BATEU, LEVOU”, QUE É CONTRÁRIA AOS PRINCÍPIOS E ENSINAMENTOS BÍBLICOS DA CONVIVÊNCIA PACÍFICA.

 

1. O QUE SIGNIFICA RETRIBUIR O MAL COM O MAL?

Essa atitude é a reação carnal em represália ao que, ou quem nos fez mal. Ela é geralmente espontânea e, às vezes, premeditada. A represália é o direito que alguém atribui a si mesmo de causar um dano maior ou igual ao que sofreu. Isso acontece para vingar ou recompensar um agravo recebido, e normalmente vem acompanhado de um sentimento de justiça, pois é feito com a intenção de compensação. É fazer justiça com as próprias mãos; o que, na verdade, muitas vezes se torna injustiça. Age-se de forma a tornar evidente à outra pessoa o mal que nos fez, ou guardando rancor ou ressentimento no coração. Muitas vezes guarda sentimentos de vingança.

Este espírito de retribuir o mal com o mal é um dos sentimentos mais dominantes no coração do homem. Pode ser percebido tanto na criança pequena, quanto no homem adulto, e detectado cada dia nas coisas pequenas, no casamento, na família, entre os irmãos, entre companheiros, no trabalho e, lamentavelmente, até no meio da igreja.

 

2. O MAL PELO MAL SE MANIFESTA DE MUITAS MANEIRAS

a) Rancor, ressentimento;

b) Ofensas ou insultos;

c) Gritos;

d) Parar de falar, não cumprimentar;

e) Ameaçar (Você vai me pagar por isso!);

f) Desprezar;

g) Desejos secretos de maldição;

h) Causar sofrimento;

i) Alegrar-se com a desgraça do outro;

j) Matar;

k) “Chicotadas de amor” (usar versículos bíblicos);

l) Desejar ou causar qualquer tipo de dano à pessoa: (honra, bens, saúde, direitos, família, etc.);

m) Usar gestos grotescos;

n) Cara fechada, antipatia;

o) Não ajudar;

p) Usar palavras ferinas;

q) Usar golpes;

r) Calúnias, detrações;

s) Tratar com indiferença;

t) Desejar o mal;

u) Vingança;

v) Fazer sofrer;

w) Roubar ou furtar;

x) Odiar…

 

3. O QUE JESUS CRISTO NOS ORDENA?

 Cristo é o nosso Senhor e por isso não podemos fazer o que queremos, mas, sim, o que Ele nos ordena em Seus mandamentos (Mt 8.21-26). Não podemos dizer que não podemos, pois Ele já crucificou o nosso velho homem e, ao nos dar o Espírito Santo, deu-nos todo o poder para fazermos a Sua vontade: “Tudo posso naquele que me fortalece…” (Fl 4.13).

 

Confira os seguintes textos:

  • Mt 5.38-48; 6.14,15;
  • Mc 11.25, 26;
  • Lc 6.27-36;
  • Rm 12.17-21; 
  • Ef 4.32;
  • Cl 2.12,13;
  • 1 Ts 5.15;
  • 1 Pe 2.21-23; 3.8-12,17.

 

Em resumo, estas passagens ensinam:

 

1. Nunca devolver o mal com o mal.

 

2. Sofrer o mal sem se defender. Jesus não se defendeu, nem defendeu a Deus. Ele perdoou aos que o crucificaram. Deus não aprova aquele que quer fazer justiça por si mesmo (Tg 1.20).

 

3. Perdoar de coração aquele que nos fez mal, e vigiar para que não venha a criar nenhuma raiz de amargura.

 

4. Orar e interceder em favor daqueles que nos fazem mal.

 

5. Dar graças a Deus em tudo. (Isso nos ajuda a assemelhar-nos a Cristo.) Devemos nos sentir bem-aventurados e nunca termos pena de nós mesmos, pois Deus condena a auto piedade (Rm 5.3).

 

6. Vencer o mal com o bem (Rm 12.21). Geralmente não ficamos passivos ou neutros diante de um mal que nos fazem: sempre há alguma reação. Nosso papel é canalizar a reação: em lugar de amaldiçoar, devemos abençoar. Afinal, com o bem vencemos o mal, detendo e evitando males maiores.

 

A Bíblia nos exorta a vivermos em harmonia com o nosso próximo. Por isso, sempre que depender de nós, devemos promover a paz. E se o nosso próximo sempre optar pela contenda, precisamos desenvolver o fruto da Espírito da mansidão e da longanimidade.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *